Recontratação de funcionário: como proceder?

Recontratação de funcionário: como proceder?
recontratação de funcionário

Compartilhe este conteúdo:

Para evitar passar por problemas jurídicos, uma empresa precisa conhecer a fundo a legislação trabalhista. A CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) é bastante ampla, pois precisa abranger aspectos do funcionário e da organização. 

A recontratação de funcionário, por exemplo, é uma ação que deve ser realizada com cautela, para evitar processos trabalhistas. 

Caso não sejam observadas todas as regras, a empresa pode realizar a recontratação de funcionário sem respeitar as leis e os prazos presentes nas normas vigentes. 

Nesse caso, a empresa pode acabar sendo acusada de fraude por impedir que o trabalhador tenha benefícios, como FGTS e Seguro Desemprego. Isso pode causar o pagamento de multas, e em último caso, processo civil. 

Está pensando em recontratar algum funcionário? Confira agora as regras que organizam esse novo contrato. 

Como funciona a recontratação de funcionário?

Como o próprio nome já diz, o processo de recontratação se dá quando a empresa deseja readmitir um funcionário que foi desligado por qualquer motivo. 

Mesmo que atualmente esteja difícil contratar colaboradores qualificados e alinhados com a cultura da empresa, a recontratação de um funcionário deve ser uma decisão muito bem pensada. É necessário levar em consideração o motivo da saída do trabalhador e qual é o objetivo em contratá-lo novamente. 

Também é importante analisar as circunstâncias em que o funcionário foi demitido, pois isso pode alterar o prazo e as normas do processo de recontratação. 

Demissão sem justa causa 

Quando o funcionário é demitido sem justa causa, ele tem direito a sacar o FGTS e receber seu seguro desemprego. Sendo assim, é necessário esperar um período de 90 dias para admitir esse colaborador novamente. 

Caso contrário, o processo de recontratação de funcionário será caracterizado como fraude, podendo causar multas e processos trabalhistas para a empresa. 

Demissão por justa causa 

Quando o funcionário é desligado da empresa por um motivo grave que configure justa causa, ele não tem direito ao FGTS e nem ao seguro desemprego. 

Nesse caso, ele pode ser recontratado num prazo inferior a três meses. Porém, é necessário analisar o cenário para identificar se essa ação é benéfica para o seu negócio. 

Pessoa jurídica 

Com o passar dos anos, se tornou cada vez mais comum que as empresas demitam funcionários que atuam dentro do regime CLT e recontratam novamente como pessoa jurídica. 

Porém, segundo as novas normas anexadas na lei n°13.467, é proibida a recontratação de um ex-funcionário como PJ em menos de 18 meses depois de sua demissão. 

Por sua vez, o funcionário também não pode prestar serviços para a empresa em questão pelo mesmo período de tempo, mesmo que ele seja um colaborador de uma empresa terceirizada ou atue como autônomo. 

Sumário

Receba nossos informativos

Conteúdo relacionado

escritório de advocacia

Como escolher o melhor escritório de advocacia para o seu caso

gestão de crises

O papel da assessoria jurídica em gestão de crises

consultoria jurídica previdenciária

Qual a importância de contar com uma consultoria jurídica previdenciária para empresas? 

consultoria jurídica reativa

Qual a diferença entre consultoria jurídica reativa e preventiva?

assistência legal contínua

Consultoria jurídica vs. assistência legal contínua: qual a diferença?

assessoria jurídica preventiva

Assessoria jurídica preventiva: economize dinheiro evitando disputas legais

Agende uma conversa

Preencha o formulário abaixo com detalhes da sua demanda.