Refis: o que é e como funciona?

Compartilhe esta publicação:
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Email

O Programa de Recuperação Fiscal (Refis) serve para simplificar a regularização e renegociação de dívidas tributárias ou não de pessoas físicas e jurídicas com a União. 

O benefício pode ser usado em diversos órgãos federais, como Receita Federal, Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e nas Secretarias da Fazenda estaduais e municipais. 

O programa foi instituído por uma medida provisória, posteriormente convertida em lei. O primeiro Refis é datado de 2000 e se repetiu outras vezes, como em 2009 e 2014. 

Nas edições mais recentes, podemos perceber a aplicação das modificações tributária e  contábil, como o Programa Especial de Regularização Tributária (PERT), lançado em 2017 com a Lei 13.496 e o Programa Especial de Regularização Tributária – Simples Nacional (PERT-SN), lançado em 2018. 

Como o Refis funciona? 

Em suas diversas modalidades, as negociações oferecem descontos vantajosos para pagamentos à vista, além da possibilidade de parcelamento prolongado, que pode chegar até 180 meses. 

Além disso, é possível reduzir multas, honorários advocatícios e juros, desde que a adesão seja feita dentro do prazo de participação do programa. 

Desde seu início, não é permitido o refinanciamento de débitos de órgãos da administração pública direta, das fundações instituídas e mantidas pelo poder público e das autarquias, além daqueles relativos ao Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR) e os relativos a pessoa jurídica cindida a partir de 1° de outubro de 1999. 

É importante lembrar que as pessoas jurídicas cujas atividades sejam de bancos ou serviços equiparados e pessoas jurídicas que explorem atividades de prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring) não podem participar do Refis. 

Há pouco tempo atrás, a PGFN implantou na esfera federal um sistema de transação dos débitos fiscais para os contribuintes que constem como inadimplentes em seu sistema. 

Porém, mesmo que o contribuinte transacione seus débitos junto com a PGFN, caso haja débitos em sua conta corrente no sistema da Receita, ele não poderá emitir a Certidão de Regularidade Fiscal (CND).