Você sabe o que é o Reintegra?

Compartilhe esta publicação:
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Nosso país tem um grande potencial para se tornar uma das maiores economias do mundo e ter um comércio exterior mais desenvolvido. Visando esse objetivo, foram criados uma série de incentivos de exportação pelo Governo, como o Reintegra, por exemplo. Ele é um dos programas para estimular os negócios entre os países, além de ser um grande aliado para o planejamento estratégico de exportações. 

Para saber como utilizar esse benefício, é preciso conhecê-lo. Por isso, fizemos esse texto para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto. Confira! 

O que é o Reintegra?

O Reintegra começou como uma medida provisória em 2011 e depois foi convertido na Lei 13.043/2014. Hoje, o Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras representa um programa de incentivo para exportações de bens brasileiros manufaturados. 

Nele, é feita a restituição fiscal de tributos pagos ao longo da cadeia produtiva para do bem que foi exportado. Dessa forma, as empresas têm o retorno financeiro do valor pago em tributos, como por exemplo, PIS, COFINS, CPMF e IRRF, que estão presentes em diferentes etapas da produção. 

O incentivo foi criado pelo Plano Brasil Maior, que tinha como objetivo restituir de forma integral ou parcial os tributos pagos ao longo da cadeia produtiva de produtos manufaturados e alguns semimanufaturados que seriam exportados. 

O Governo Federal também possui outros programas de incentivo à exportação. Se vale a pena para a sua empresa, vale a pena procurá-los e ter a disposição diversos benefícios. 

Quais empresas podem se beneficiar do Reintegra?

Como o Reintegra é um benefício direcionado para empresas que trabalham com exportação, todas as organizações exportadoras podem desfrutar dele. Porém, para conseguir o benefício, é necessário que o bem produzido esteja de acordo com alguns fatores, como:

  • Precisa ser produzido em território brasileiro, desde os processos de industrialização, como transformação, beneficiamento, montagem, renovação ou recondicionamento 
  • Deve estar incluído na TIPI (Tabela de Incidência do Imposto sobre Produto Industrializado). Essa norma está aprovada pelo Decreto 7660, de 23 de Dezembro de 2011
  •  Ainda falando sobre esse decreto, os insumos importados para a fabricação do bem não podem custar mais do que o limite percentual do preço de exportação 

Os insumos importados também possuem suas especificações:

  • Os insumos importados dos países do Mercosul são considerados nacionais 
  • O custo desse insumo deve corresponder ao seu valor aduaneiro, somado ao Imposto de Importação e ao AFRMM
  • Se ele for importado de uma empresa, o custo do insumo deve ser o mesmo que o custo final do fabricante importador 
  • O preço da exportação precisa ser definido no local de embarque 

Sendo assim, todas as empresas que exportam produtos que estejam dentro dessas características podem se beneficiar do Reintegra. 

Como o programa funciona?

O benefício só pode ser solicitado pela empresa depois da exportação. Para fazer o pedido da restituição dos tributos, é necessário ter em mãos todos os registros de exportação compatíveis com as notas fiscais eletrônicas do período em questão. É importante lembrar que o período máximo é de 5 anos anteriores ao pedido. 

A alíquota da comprovação do direito ao crédito pode variar de 0,1% a 3%. Feita a comprovação, você poderá realizar a solicitação de reembolso após o término do trimestre que ocorreu a exportação. 

Sendo assim, o benefício pode ser recebido em espécie ou como ressarcimento de débitos próprios relativos a tributos que a empresa possui junto a Receita Federal.

Veja abaixo algumas dicas simples para aproveitar o Reintegra da melhor forma possível:

  • Lembre-se de que exportações feitas há mais de 5 anos não podem ser ressarcidas pelo Reintegra 
  • Caso as NCMs estejam irregulares, sua solicitação pode ser invalidada 
  • O valor de crédito não sofre correções monetárias e inflacionárias quando fica parado na Receita Federal. Por isso, evite acumular crédito e solicite a restituição imediata 
  • Se você preferir a compensação em forma de créditos do Reintegra, deve informar a preferência na Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF)
  • Os pedidos de ressarcimento do Reintegra podem ser feitos usando o DU-E

Então, não perca oportunidades de negócios por não ter usado os benefícios que são seus por direito! Use o Reintegra e impulsione suas exportações!